Sociedade armada é violenta ou não?

Sociedade armada é violenta ou não?

Um dos argumentos aparentemente mais fortes dos defensores anti-armas está a desaparecer diante de fortíssimos argumentos a favor. A antiga associação de idéias que dizia que uma sociedade mais armada é necessariamente uma sociedade mais violenta ou com uma taxa maior de criminalidade, foi questionada graças a um estudo estatístico da prestigiada Universidade de Harvard.

Publicado no Harvard Journal of Law and Public Policy (disponível on-line em www.law.harvard.edu), este estudo confirma através de um compêndio laborioso de dados estatísticos que as sociedades onde há mais armas de fogo nas mãos dos cidadãos nem sempre são as mais violentas. Para mencionar apenas um dos exemplos mais marcantes, em um país tão pequeno e restritivo como o Luxemburgo, onde a posse de armas de fogo é absolutamente proibida para a sociedade civil, a taxa de homicídios é nove vezes superior à da Alemanha, onde Cerca de 30.000 armas por 100.000 habitantes são contadas (0,93 homicídios por 100 mil habitantes na Alemanha e 9,01 homicídios por 100 mil habitantes no Luxemburgo).

sociedade armada

Nos Estados Unidos, um país de referência em termos de luta pelos direitos e liberdades individuais, este estudo teve um grande impacto na mídia, especialmente porque grupos como a NRA (National Rifle Association) estiveram encarregados de usá-lo para Para desmantelar muitos dos argumentos que os lobbies anti-armas americanos usam contra a 2ª Emenda de sua Constituição (que habilita cada cidadão americano a possuir sua própria arma de fogo). Na Europa antiga, onde não há uma cultura tão firme em favor da posse de armas de fogo para toda a sociedade civil, passou um pouco mais despercebida.

Em qualquer caso, a mais importante das muitas conclusões que podem ser extraídas deste estudo aprovado por uma das universidades mais prestigiadas do mundo, é que mais uma vez é mostrado que as armas não são ruins por si mesmas, são objetos inertes, e que o seu uso bom ou ruim depende exclusivamente da pessoa que está por trás disso, isto é, do ser humano que a exerce. Portanto, não é aceitável atacar armas de fogo sistematicamente, culpando-as por qualquer assassinato ou homicídio cometido “pelas pessoas”. A quem há de culpar? Responsabilizar e punir sempre o cidadão que abre fogo com ela para cometer crimes. Simples.

Curiosamente, alguns dias antes do final desta edição, o departamento legislativo da NRA informou através de seu site de um novo movimento do lobby norte-americano anti-americano. Paradoxalmente, o protagonista voltou a ser a Universidade de Harvard, cuja escola de saúde pública recebeu uma doação de 350 milhões de dólares da Fundação Morningside (declarada anti-armas), para estudar violência armada. E outras questões complexas relacionadas à saúde pública e que representam um desafio para os Estados Unidos e para o resto do mundo. Ação-reação, quem vencerá o jogo?

No Brasil qual a sua opinião sobre o assunto? O porte de armas pode ser uma solução para o cidadão de bem, sem histórico criminal?

Um comentário

  1. Eu acho que no brasil o porte de armas deve ser liberado, pois os bandidos andam livre leve e soltos com armas apontadas para a cabeça do cidadão de bem. E nós ficamos refens.

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *